Festival Internacional de Cinema de Marvão e Valência de Alcântara

Views: 163
  • Festival abre com a antestreia de “Raiva”, de Sérgio Tréfaut e homenageia Garcia de Orta (médico e naturalista nascido na região, no século XVI)
  • Periferias realiza-se entre Portugal e Espanha e vai ter a presença dos realizadores Sérgio Tréfaut, Catarina Mourão, Hugo Magro e, ainda, os espanhóis Joaquín Araújo, Rubin Stein, Josep Lluís Penadès, Rodrigo Canet e Eva Urbano
  • É já no dia 10 de agosto que o Castelo de Marvão recebe o arranque da VI Edição do mais glamoroso festival de cinema transfronteiriço. A apresentação em antestreia do aguardado filme “Raiva”, do realizador português Sérgio Tréfaut, assinala o início oficial do Festival Internacional de Cinema de Marvão e Valência de Alcântara – Periferias, que decorre até 20 de agosto.

    O Castelo de Marvão é o palco escolhido para a abertura deste evento transfronteiriço, cuja aposta passa por apresentar cinema de autor, em itinerância através de um conjunto de aldeias históricas e lugares emblemáticos da raia luso-espanhola. Este ano os visitantes podem assistir a um conjunto de cerca de 40 títulos, entre documentários, ficção e animação, com uma larga representação de filmes e autores dos dois países ibéricos.

    Os filmes serão apresentados, maioritariamente, em sessões noturnas ao ar livre, estando anunciada a presença de vários dos realizadores, entre eles Sérgio Tréfaut, Catarina Mourão, Hugo Magro e, ainda, os espanhóis Joaquín Araújo, Rubin Stein, Josep Lluís Penadès, Rodrigo Canet e Eva Urbano.

    Aos palcos habituais do festival – Marvão, Valência de Alcântara, Galegos, Fontañera, Portagem, Beirã e Santo António das Areias – somam-se este ano as localidades de Cedillo e Malpartida de Cáceres, em Espanha, e Castelo de Vide e Porto da Espada, em Portugal.

    Antes do arranque oficial do Festival, têm lugar duas sessões especiais em Cedillo, a 8 e 9 de agosto, nas quais serão projectados os documentários “Guadalquivir”, de Joaquín Gutierrez Acha, e “Luna Grande, Un tango por Garcia Lorca”, de Juan José Ponce.

    Já em Marvão, dia 10, com o castelo da vila por cenário, decorre a gala de abertura e a projecção de “Raiva”, filme inspirado numa obra literária do escritor Manuel da Fonseca, no qual se retrata o alentejo rural antes do 25 de Abril.

    Sérgio Tréfaut, o premiado realizador e autor desta adaptação cinematográfica, estará presente na ocasião e procederá à apresentação do filme, acompanhado do ator e protagonista, Hugo Bentes.

  • Homenagem a Garcia de Orta

    Nos dias seguintes, 10 e 11, em sessões que têm lugar, respetivamente, no Parque de Esculturas de Marvão (Quinta do Barrieiro) e Castelo de Vide, evoca-se a figura do médico e naturalista Garcia de Orta.

    A homenagem ao célebre autor do “Colóquio dos simples, drogas e coisas medicinais da Índia”, nascido no século XVI, nesta região, é organizada em parceria com a Associação de Amigos de Castelo de Vide, no âmbito do projeto “Entre Diálogos” – Orçamento Participativo de Portugal 20017.

    O programa para estes dois dias, sábado e domingo, inclui propostas de cinema e música, que estabelecem uma ligação com a época e os lugares onde Garcia de Orta viveu e desenvolveu a sua pesquisa.

    Além de um documentário biográfico sobre o médico e cientista do renascimento, serão exibidos os filmes “El Bosco – El Jardin de los Sueños”, de José Luíz Lopez-Linares, sobre a obra do pintor holandês Jerónimo Bosch, e “A Dama de Chandor”, de Catarina Mourão, filmado em Goa. Destaque, ainda, para o concerto ‘Distant Sound Connection’, encontro entre o jazz e a música hindustânica, projecto dos músicos Hekuly, Sali & Arkadius.

     

    Programa e actividades paralelas

    Nos restantes dias do festival, prossegue a apresentação de obras cinematográficas que incluem uma maratona de curtas ibéricas, um ciclo de cinema ambiental e, promovendo o cinema para todas as idades, uma “macedónia de filminhos” para crianças e sessões junto dos lares da terceira idade.

    A par da mostra de filmes, tal como tem vindo a acontecer nas edições anteriores, o Festival engloba exposições, palestras e espetáculos musicais, continuando a privilegiar as temáticas dos “direitos humanos”, “ambiente” e “cultura”.

    Os cenários escolhidos para realização das projeções destacam-se pelas suas características únicas, incluindo uma antiga estação de comboios da Beirã, as ruínas da cidade romana de Ammaia, uma ponte medieval sobre o Rio Sever, um lagar reconvertido a museu, além dos castelos da região