Beja: Conselho Executivo de escola demite-se “saturado” com casos de violência

Views: 4078

O Conselho Executivo (CE) da Escola Básica 2, 3 de Santa Maria, em Beja, demitiu-se em bloco, “saturado” com vários casos de violência no estabelecimento de ensino, como agressões entre alunos e a funcionários, professores e pais.

    “Apresentámos a demissão, porque estamos cansados e saturados com vários casos de violência na escola, que deixaram de ser pontuais e passaram a ser frequentes”, explicou  à agência Lusa a professora e presidente demissionária do CE da escola, Domingas Velez.

    Segundo a responsável, o CE, que apresentou a demissão na passada sexta-feira à presidente da Assembleia de Escola do Agrupamento nº 1 de Beja, “não consegue desenvolver o trabalho normal de gestão da escola, porque constantemente há problemas relacionados com casos de violência para resolver”.

    Além de agressões entre alunos, que “são resolvidas internamente e através de mecanismos legais”, Domingas Velez queixou-se, sobretudo, de “casos de agressões, a maioria verbais, mas também físicas, a funcionários e professores por parte de elementos exteriores à escola”, como pais e encarregados de educação.

    Domingas Velez referiu ainda casos de agressões de pais e encarregados de educação a alunos e a outros pais e encarregados de educação no interior da escola e devido a conflitos entre os filhos e educandos.

    “Já são demasiados problemas para o que deveria ser a normalidade de uma escola”, lamentou Domingas Velez, referindo que os casos de agressões “têm vindo a agravar-se nos últimos dois anos” e “desde o início deste ano lectivo têm sido constantes”.

    Para resolver os casos de agressões, cuja frequência atribui ao facto de a escola acolher “alunos problemáticos provenientes de bairros sociais desfavorecidos”, Domingas Velez defendeu o “reforço da vigilância interior e exterior da escola” e “a distribuição de alunos problemáticos por outras escolas”.

    “Um dia entrei às 08:00 e já estava o pai de um aluno à porta da escola à espera para bater num professor que tinha repreendido o filho”, contou Domingas Velez, lembrando outras situações “mais complicadas” que “têm sido comunicadas ao Ministério da Educação”.

    No início deste mês, a avó e encarregada de educação de uma aluna foi espancada por seis mulheres à porta do CE da escola, quando se preparava para denunciar agressões sofridas pela neta.

    Há quase um ano, lembrou a professora, a escola foi “invadida” por 11 indivíduos, que provocaram desacatos e danos materiais no refeitório, onde partiram diversos materiais, criando o pânico entre os alunos.

    “Um dos indivíduos, a mãe de um aluno, até agrediu, sem qualquer motivo, uma funcionária da cozinha”, precisou a professora.

    A Lusa contactou  a Direcção Regional de Educação do Alentejo, mas os serviços informaram que o director regional, José Lopes Verdasca, estava ausente.

   

    LL.

    Lusa/Tudoben

Comments: 0