Gastronomia: Primeiro livro sobre o restaurante Fialho de Évora apresentado em Lisboa

Views: 1362

livroA história do restaurante Fialho, em Évora, “uma referência da gastronomia nacional”, é contada pela primeira vez num livro que é apresentado esta quinta-feira na FNAC Colombo e sexta-feira na do Chiado, em Lisboa.

“O Fialho contra tudo e todos manteve-se fiel à gastronomia regional, quando os outros praticavam uma cozinha internacional, o Fialho foi sempre fiel à cozinha alentejana, e na década de 1980 outros começaram a seguir-lhe o exemplo”, disse o autor da obra, Alberto Franco.

Para o investigador, “esta aposta na cozinha regional alentejana foi a chave do sucesso do restaurante” que começou por ser uma taberna, depois casa de pasto, passou a cervejaria e tornou-se restaurante em 1942.

“O Fialho foi pioneiro na região da apresentação de entradas, o que agora faz qualquer restaurante”, destacou.

Alberto Franco conta a história do restaurante partindo do seu fundador, Manuel Fialho, filho de Mariana Letrada, nascido em Évora em 1903.

“Senti a necessidade de ir buscar a história da família, tendo para isso contado com a memória de muitos, mas também contextualizar essa história na do país e da cidade”, explicou o autor.

Defende Alberto Franco que “só se percebe as sucessivas alterações do restaurante eborense pelas conjunturas económico-sociais, pois elas são fruto dessas conjunturas”.

“Por outro lado, acrescentou, havia que enquadrar as lides desta família, dar o contexto da época”.

Alberto Franco recorreu “à memória de muitos, pois nem tudo está escrito e registado”, mas também à imprensa, reproduzindo alguns artigos na íntegra.

A par do texto, há várias fotografais de época, outras de arquivo da família, designadamente de personalidades que comeram no Fialho, e também fotografias de José Manuel Rodrigues que retratam vários pratos ali confeccionados.

O presidente do Conselho de Administração da Portugal Telecom, Henrique Granadeiro, alentejano, assina o prefácio em que salienta ser o Fialho hoje “uma consolidada história de sucesso” que uniu pai e três filhos.

Segundo Granadeiro, o restaurante sobreviveu aos fundadores e “projectou-se em novos espaços de um universo cada vez mais vasto, mercê da harmonia de três irmãos” que “criaram um património que os transcende”.

O álbum editado pela Althum inclui ainda várias receitas de Gabriel e Manuel Fialho, designadamente “Passarinhos fritos”, “Barradinha de borrego”, “Canja de amêijoas”, “Salada de lagosta à Leão de Ouro”, “Tecolameco”, ou “Doce de ovos ferrados”.

Além do restaurante Fialho, surge nesta história o Mascarenhas Bar, aberto pela família em 1952, na Travessa do Mascarenhas, que primava pelo marisco e peixe frescos de Sesimbra, Sines e Setúbal, a carne do talho do Xaxana e os produtos hortícolas “da banda da D. Iria, a melhor do mercado eborense”.

Outro episódio da história de restaurantes da família Fialho foi o Salão de Chá e Restaurante Florbela, em homenagem à poetisa Florbela Espanca, que iniciou actividade na Praça do Giraldo em 1957 e teve o primeiro reclamo luminoso da capital alto-alentejana.

“Como Florbela Espanca tinha sido uma mulher de amores livres, que causaram escândalo na sua época, não tardaram os comentários depreciativos sobre o salão. Ao fim de dois anos, o Florbela fechou”.

Alberto Franco afirmou à Lusa que “esta é uma história do Fialho, a primeira, mas haverá outras perspectivas, até porque há sempre histórias a contar e outras que não se podem contar”.

NL.

Lusa/Fim

Comments: 0